Seguidores

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Meus Amigos Poetas-João Nery Pestana

Meus amigos poetas

Prof. Valdevino Soares apresenta o escritor e poeta João Nery Pestana






Contos em palavras contadas

p/Professor Valdevino de Oliveira
Uniban/Unesp


Os contos neste livro de João Nery estruturam-se com palavras contadas: cento e cinco. Distribuídas em dez ou onze linhas. O texto, quase uma mancha na página branca, mais imagem que palavra, ou, à semelhança de imagem. Um convite para um novo leitor nem sempre com tempo e fôlego para grandes distâncias. No limite, a narrativa inteira, pequena mas inteira. Nada falta, nada sobra. Sobriedade verbal. Para essas narrativas, aplicam-se bem as técnicas do haicai, marcadas pela condensação e pelo laconismo, na tentativa de chegar à concisão e à síntese, evidenciando não mais os limites claros entre a poesia e a prosa, mediante a introdução, no conto, da técnica de construção do poema e estabelecendo a rarefação das linhas demarcatórias entre os gêneros.
São narrativas que prendem o leitor pela estrutura: criam uma expectativa, comprometem-se com o leitor e presenteiam-no com um final inesperado, uma ruptura. Daí, conto quase-silogismo, pois descreve uma situação inicial em que envolve personagem e espaço, enovela o leitor e frustra o previsto e o esperado com a intromissão de um invisível, mas perverso “mas”, que se interpõe entre a situação inicial e o desfecho. Adversidade narrativa.
João Nery é, antes de tudo, um poeta. Sua produção neste gênero é significativa e conhecida, e se deixa mostrar nessas incursões pela narrativa que se carrega de musicalidade, de imagens, de ritmo, enfim, de poesia. No invólucro de uma narrativa lacônica, travestida do poético, enseja a presença de um narrador poeta. Ruptura de gêneros? Quebra dos limites? Mescla de conto, poesia e crônica? Tudo isso. Um pedaço de vida num pedaço de tempo, em síntese necessária em que o menos é mais.
Narrativas marcadas, ainda, pela linguagem cinematográfica, indiciada nos cortes bruscos, na superposição de planos, na montagem e nas elipses, como se pode verificar nos contos “Velozcidade” e “Anúncio de Jornal”, verdadeiros mistos de poesia concreta, conto haicaico, estilo telegráfico, desmontagem e reordenação do signo lingüístico; no limite, representação futurista da encarnação da velocidade.

**********************







Minha foto

Nasceu em Cururupu, litoral do Maranhão, onde viveu até a adolescência, quando já manifestava tendências literárias. É titular da cadeira n. 18 da Academia de Letras de Ribeirão Preto, membro efetivo da Casa do Poeta e do Escritor-RP e da Federação Brasileira de Alternativos Culturais (Febac/SP). Fundou, com a poetisa Josy Machado, a União dos Escritores Independentes (UEI), da qual é Presidente de Honra. Participou da coletânea Mil Poetas Brasileiros, do Instituto da Poesia Internacional em Porto Alegre/RS, livro que entrou para o Guiness Book — edição 1995; tem um verbete na Enciclopédia da Literatura Brasileira Contemporânea, edição 2006, publicada pela Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Premiado em concursos literários em todo o País, tem participação em dezenas de antologias nacionais e internacionais. Obras publicadas: VIAS (1999), REVERSO (2004) e CONTOS EM PALAVRAS CONTADAS (2009). Contato: jotanery7@hotmail.com





Suas Obras

3 comentários:

Denise disse...

Oi, Eunice! Vim agradecer sua visita e conhecer seu cantinho. Obrigada pelo selinho. Já estou te seguindo e desejo-lhe uma ótima semana!
Abraços.
108 - http://dedeartes-denise.blogspot.com

Tatiane Mendes Viegas disse...

"A UNIÃO FAZ A FORÇA E JUNTAS SOMOS MAIS QUE VENCEDORAS"!
oi!! Vim buscar meu selinho!!
obrigada!
beijos e muita luz

João Nery disse...

Amigos são aquelas pessoas que, mesmo distantes, nos completam e nos fazem sentir inteiros. Obrigado Nice por sua amizade e pelo seu carinho. parabéns pelo belo trabalho. bjs no coração.