Seguidores

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Profissão perigo

Policiais se  acidentam durante perseguição.




Um grave acidente, aconteceu na rua Antonio Galão esquina com a João Miotto, onde  uma viatura policial, em perseguição a um suspeito, colidiu contra o muro de uma residência, capotando em seguida, e deixando feridos seus ocupantes. 


O motorista que foi lançado para fora , caindo na calçada, e o carona, que ficou retido dentro da viatura, e foi retirado, com a ajuda dos  companheiros de outra viatura e populares, que rapidamente acorreram ao local.

Pelo que pudemos conferir no local, foi por um milagre, não ter acontecido nada pior, e o fato do motorista ter sido lançado para fora do veículo, foi devido ao mesmo não estar  fazendo uso do cinto de segurança; porém, vendo o estado em que ficou o veículo,  deduzimos que, se este tivesse usando o cinto, teria sido esmagado pela massa veicular.


Fica a pergunta: Até onde o cinto que segura, protege?


Mas o que eu quero registrar, é sobre o sentimento que despertou em mim, ver aqueles homens feridos, no cumprimento de dever, no exercício da sua profissão, uma profissão onde o perigo é seu par constante. 
Ao olhar nos olhos daqueles homens, ali no chão, sangrando, eu não via policiais, mas homens, filhos, irmãos, pais. e senti a sua dor, a sua decepção, a sua angustia de uma missão interrompida pelo acidente. 


Senti, a raiva contida de um, talvez, ou com certeza, pela impotência imposta pela situação do momento, e a preocupação do outro  pelos danos físicos sofridos.
Os cuidados e a preocupação dos companheiros que controlavam a situação.
Senti, vontade de lhes pegar na mão e lhes confortar, passar algum tipo de segurança, de confiança.
Dizer-lhes de alguma forma que estávamos ali não como curiosos, porém solidários e respeitosos.
Nessa hora, o que falou mais alto foi o espírito maternal, cristão.

De qualquer forma, eu me vi ali, apenas como mulher, tentando amparar a um "filho", ou  a um "irmão". desejando profundamente minorar-lhes os sofrimento, e que os ferimentos  sofridos não fossem graves.. 

 Outro detalhe percebido e comentado pelos circundantes, foi a demora, aflitiva do socorro. Um tempo interminável, para os que aguardavam a ação dos Anjos do Asfalto.

 Mas enfim eles chegaram, e o comandante nos afirmou que os rapazes ficariam bem.
 Era tudo o que  precisávamos ouvir. 




Agora eles farão parte das minhas preces num desejo de  breve e total restabelecimento de suas formas físicas, e que Deus os guarde, nesta profissão tão arriscada!

Um comentário:

Sandy Matos disse...

Olá! Encontrei seu blog no "Agenda dos Blogs" e estou seguindo. Se quiser seguir o meu ficarei grata. Sucesso!
http://sandyadorartes.blogspot.com.br/
http://www.facebook.com/Adorartes